Voltando a postar textos de minha autoria:

Faz tempo que eu não escrevo sobre um pensamento aleatório, que bateu até saudade de expor e compartilhar várias bobagens boladas de ultima hora na frente do pc, ouvindo música baixa pra não atrapalhar o barulho da tv.  E a saudade é um assunto tão complicado de abordar, uma palavra tão simples que se torna tão difícil de descrever, entender e explicar, que sentimento é esse que faz o peito apertar e a cabeça não conseguir pensar em outra coisa. Tão difícil que na língua inglesa não existe tradução literal, e para definir esse sentimento tão abstrato é usado o termo “I miss you”, que literalmente falando seria algo como “eu perco/falho/erro(etc…) você”, mas que é traduzido para “sinto sua falta”. E em alguma língua acima ou abaixo da linha do Equador, são usadas até 9 palavras pra traduzir “saudade” (não consigo mesmo lembrar qual é essa língua). Saudade, a sétima palavra mais difícil de se traduzir, eleita em um estudo mundial, e a mais difícil de traduzir é uma palavra de algum dialeto de algum país africano. Esse sentimento complexo e simples, tem efeito diferente em diferentes pessoas, e se mostra com mais, ou menos intensidade. Algo que começa pequeninho, como se fosse um espinho de rosa “penicando” no peito, e que de repente se torna uma britadeira de potência desconhecida. Dizem até que é possível sentir saudades de alguém que nunca se viu pessoalmente. Seja de amigos(as) que se tornaram distantes, ou de amores que deixaram marcas, família ou até mesmo momentos, a saudade sempre alerta e sempre alertará. Mas o que eu humildemente acho mais importante é deixar a vida guiar seus caminhos, que o melhor estará reservado pra quem cultiva coisas boas no presente sem esperar nada em troca. E consequentemente pessoas irão sentir saudade de você, e que isso não seja maléfico, e sim uma prova da pessoa boa que você foi (e ainda é). Claro que momentos não voltam, e algumas pessoas também não, mas as vezes é tão bom curtir um momento nostalgia, e relembrar o passado, só as coisas boas, olhar fotos antigas, ouvir músicas que marcaram de alguma forma, ou até mesmo só sentar sob o luar, sob um céu estrelado, no quarto deitado na cama antes de dormir ou em qualquer lugar que traga paz. Eu não queria ser o Peter Pan e viver em Neverland (terra do Nunca), mas eu quero envelhecer só na idade biológica, e poder cantar como a turma do Chávez:

Se você é jovem ainda, jovem ainda, jovem ainda

Amanhã velho será, velho será, velho será

A menos que o coração sustente

A juventude que nunca morrerá.

A saudade, como todos os outros sentimentos, é inevitável e não se pode escolher senir ou não, mas é algo que se pode lidar e conseguir tirar o melhor. E de repente bate uma saudade…

É como eu já disse nesse blog: “Quando a saudade não cabe no peito, transborda nos olhos” (Auto Desconhecido)

Lágrimas na janela!

Anúncios