Etiquetas

, , , ,

Eu tento entender porquê algumas pessoas insistem em me odiar, não gostar do que eu escrevo, do meu jeito, de insistirem em dizer que eu mudei e não fazerem nada pra tentar manter uma relação de (pelo menos) “oi e tchau”. Será que algumas dessas pessoas acham que pessoas são iguais a vida toda?  E será que outras dessas pessoas, ou até mesmo essas mesmas pessoas, acham que não falar e ignorar é a melhor opção? Preferiria que essas pessoas tivessem a hombridade de saber chegar e falar tudo. Pessoas mudam de ideias, e mudam de novo, já pensou se eu chegasse aos 40 anos pensando do mesmo jeito que penso hoje? Ou que hoje eu tivesse o mesmo pensamento que tinha quando eu tinha 13 anos? Alguém já disse por ae: “Conversando a gente se entende”. (juro que não lembro de onde é essa frase, mas deve ser de alguma propaganda). Aí concluindo, eu sou o babaca da história. Mas que história? Como poderei saber, se eu fico sabendo que pensam assim muito superficialmente, catando frases soltas (como: “ele não vai se trocar contigo”, como se eu fosse atrás de alguém pra provocar e baixar o nível), pensamentos altos (como: “se acha, né?”, isso depois de fazer uma brincadeira) , indiretas (como: “tem um monte de gente que não gosta de ti”, mais ou menos indireta) mas nada direto, claro e corajoso. Porque se eu soubesse o que realmente pensam de mim, falassem o que eu faço ou digo que as incomoda, eu teria a chance de me defender, tentar fazer a pessoa entender meu ponto de vista e por fim tentar mudar alguma suposta atitude errada minha.

Mas… fazer o quê? Ainda bem que tem muita gente que gosta de mim (owwwnnn *;*), que são as pessoas que me escutam. Mas por quê será que essa parcela mínima de “desgostosos com o Otis” é que me incomoda mais? É natural.

Como já dizia o poeta: “you always want what you can’t have”  Teddy Geiger.

But life goes on. And I’ll still waiting for my chance.

Quando não dá pra lutar contra, se conformar (ou pelo menos fingir) pode ser um escape

Um agradecimento especial para as pessoas que apesar da distância e desentendimentos, ainda me consideram pelo menos um pouco (mesmo eu sentindo falta de ser importante na vida de algumas pessoas).

Anúncios